nuno

Image75 anos

Nuno é uma das figuras da vila. Figura no sentido de que todos o conhecem e identificam, exactamente pela figura. A barba branca, a jeito de Pai-natal ou do próprio Karl Marx cuja doutrina veio a abraçar.

A minha curiosidade por esta figura e a ideia de uma necessária entrevista concretizaram-se e, uma vez mais, foi-me permitido viajar através da história de um homem ao passado deste sítio.

Das ideias que temos de alguém, porque as formamos, vem-se a ideia de Nuno a afixar os cartazes da Festa do Avante. Filiado no PCP por influência de um tio, diz encontrar ali “o único partido que entende os trabalhadores“. Pisou, sem faltar uma única vez, o chão da Quinta da Atalaia nos últimos 35 anos e adverte-me que os bilhetes para este ano já estão à venda. Percebe-se que vive muito e espírito do Avante e justifica: “Gosto de colaborar e conviver com os meus camaradas”.

Típico, refere-se aos amigos de quem fala ao longo da conversa, como “camaradas”.

A época que melhor recorda da sua vida “era quando andávamos a namorar. As moças iam à fonte, ao anoitecer, com o cântaro à cabeça e nós íamos com elas. Bons tempos aqueles.”

Nuno fez a 4.ª Classe, sublinhando que o fez “com distinção”. Conta que teve uma “belíssima professora, a Senhora Dona Ana. Interessava-se e dedicava-se, um mês antes dos exames íamos para a casa dela uma hora antes e uma hora depois das aulas estudar, ajudava-nos. Mas também era boa a bater e a puxar as orelhas”, relembra a sorrir.

Ainda sobre a sua meninice fala de “uma época muito pobre, mas mais sã do que agora. Havia as casas ricas e o resto eramos pobres. Mas era uma época mais sã”. Recorda sobre essa época que ajudavam os pais no campo e conta que, “quando caiam aquelas chuvadas íamos às hortas apanhar a azeitona que caia no chão – só a do chão – e depois íamos levá-la aos lagares e trocávamo-la por azeite, para o conduito da casa”.

Depois da escola foi aprender a sua profissão, Marceneiro, com o pai, que tinha uma oficina. Mas dava pouco e acabaram por fechar a oficina pois “só aparecia uma cadeira, um louceiro, uma mesa para arranjar e não dava”. Satisfaz-me uma curiosidade, ou mesmo ignorância, e explica-me que “um Carpinteiro trabalha com portas, janelas, faz estruturas e um Marceneiro trabalha com móveis”.

Quando fecharam a oficina a avó foi falar com o gerente da Fábrica, a fábrica grande da vila e ele foi para lá trabalhar. “Naquela altura a Fábrica tinha muita gente e pagava bem, pagava melhor do que a Câmara, depois nós começámos a decair e os da Câmara foram subindo”. Na Fábrica trabalhou mais de 30 anos. Começou como tintureiro, “tingia as fazendas mas depois trabalhei mesmo na minha profissão. O Marceneiro reformou-se e eu comecei a fazer os arranjos que era preciso na Fábrica, só que nunca me passaram a Marceneiro, se não tinham que me pagar mais”, revela acusando a esperteza da entidade patronal. Mas gostava do que fazia.

Paralelamente foi Bombeiro mais de 20 anos, até ser expulso. Foi expulso dos Bombeiros, Sr. Nuno? Porquê? Olhe, nunca mo disseram mas foi porque eu era contra a situação”. Fala da política. Pergunto-lhe se era muito revolucionário e diz-me que fazia o que conseguia. Além desta instituição a que, apesar de tudo, teve muito orgulho em pertencer também jogou futebol no clube do “CAT do Pessoal da Fábrica”. CAT, pelo que relembra, queria dizer “Centro de Alegria e Trabalho”. Naquela altura o CAT do Pessoal da Fábrica era muito activo. “Geríamos o CineTeatro, chegámos a passar filmes. Tínhamos um bar que explorávamos, organizávamos bailes à tarde, no verão, e tínhamos a equipa de futebol, que ia jogar com as equipas dos outros concelhos”. Conta ainda que, com o dinheiro que o CAT conseguia faziam um grande almoço para os sócios, trabalhadores da fábrica, e convidavam os chefes. Relembra que “um ano fizemos tal almoçarada que durou 3 dias, parecia um casamento”. Depois, provavelmente com o declínio da fábrica, tudo acabou.

Ainda falamos na crise e, ao longo da sua vida diz que “vivi muito mal, depois isto evoluiu muito e vivia-se bem e agora o país caminha para a bancarrota”. Diz ainda que “o 25 de Abril foi o melhor que nos aconteceu”.

No final conclui que “antigamente era um tempo mais puro do que o de hoje”.

Faz-se tarde e Nuno tem que ir para casa ajudar a irmã, com quem vive, a tomar conta de uma tia. Agradeço-lhe e digo-lhe para pedir desculpa à Dona B. pelo atraso, que a culpa foi minha. Ele ri-se e ainda me deixa fotografá-lo insistindo que não tem lá grande figura. Digo-lhe que parece um poeta e ri-se.

Obrigada, Nuno, o Camarada, pela simpatia. Muito obrigada, Camarada Nuno, pela viagem e pelas histórias. Vemo-nos por aí!

Advertisements

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s